A Festa de Delirium – resenha

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Salve, salve, seres humanos da terra e perpétuos.
Fazia tempo que eu não vinha aqui fazer review de nenhuma hq e isso se deve, principalmente, à minha total falta de tempo. Mas estou de volta hoje para falar de uma hq incrível que se chama A Festa de Delirium.

 

A Festa de Delirium

 

Eu já conhecia a Jill Thompson da hq Morte, a Festa, e sabia que ela já tinha feito outros trabalhos com o material de Sandman. Eu sabia que ela tinha uma série chamada Pequenos Perpétuos, mas não tinha lido nada. Esses dias eu esbarrei com A Festa de Delirium em uma dessas promoções malucas da Amazon e não pude deixar passar. Comprei.

A história segue a Delirium, a mais nova dos Perpétuos, que decide fazer uma festa para tentar fazer sua irmã, Desespero, sorrir. Para isso ela faz uma festa e convida todos os irmãos: Morte, Sonho, Destino, Desejo e Destruição para fazerem uma festa surpresa para sua querida e emburrada irmã.

Será que ela vai conseguir?

 

 

A primeira coisa a dizer (eu mesmo não sabia) é que essa história não tem o formato de uma história em quadrinhos tradicional. O formato lembra mais um livro ilustrado, com texto direto intercalado com páginas inteiras de desenho. Eu sou mais fã de quadrinhos do que de livros ilustrados, mas a arte da Jill Thompson é tão incrível que compensa. “Eu quero mais desenhos! Me da mais desenho!”

O livro é pequeno e, por ter essa estrutura de livro ilustrado, pode ser lida em uma “sentada”. É uma leitura ágil e gostosa, especialmente por ser do ponto de vista da Delirium que é uma maluca completa.

Em resumo. É uma história incrível com uma arte (TODA EM AQUARELA!) mais inacreditável ainda. Se você puder, compre essa hq, leia, e depois dê para um sobrinho, seu filho, sei lá. Vale muito a pena, até por que ta baratinho na Amazon (olhei hoje e ta 12 golpinhos).

Então é isso. Uma hq simples e mortalmente incrível. Recomendo.
Deixe sua opinião aí.
Compartilhe esse post.
Um abraço.
E tchal.

vulto

"Depois de mim sou eu."