Conversa Nerd e Geek – 55 – Como ser um: Professor (Projeto TriForce #01)

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Na conversa dessa semana, Douglas Luis, Tio Helbert, Juliano Madalena, Aida Guerreiro e Leo Oliveira falam sobre a vida de professor, suas alegrias, suas tristezas e suas dificuldades. “Professor, pode ir no banheiro?”, “Professor, é pra copiar?”, “Professor? É pra pular quantas linhas?”, “Vai cair na prova?” e outras perguntas serão respondidas aqui. Traga a sua maçã. Sente em sua carteira. E venha ouvir mais sobre como os professores se sentem. E aí? Fez o dever de casa?

Tempo do Episódio: 1:50:28

Tema: Como ser um

Padrinhos:
– Willian Lopes
– Agatha Gonçalves
– Ruti Goulart
– Olavo Montenegro
– Luiz Henrique
– Vanei Anderson

 

Padrim Divulgação

 

Links Comentados no Episódio:

Do Projeto TriForce:

Redes Sociais:
Telegram do Cultura Nerd e Geek

Página Oficial do Cultura Nerd e Geek

Twitter Cultura Nerd e Geek

Google Plus Cultura Nerd e Geek

Instagram Cultura Nerd e Geek

Perfil do Marvin no Facebook

Grupo Cultura Nerd e Geek

Grupo de Trocas Cultura Nerd e Geek

Canal Youtube Cultura Nerd e Geek TV

Parceiros:

– Canal Tragicomedia

– Canal Leo Oliveira Bass

– Curta o Hordas Trôpegas

– Siga nosso editor o Senhor A no Twitter

– Curta a Página do Sr.A no Facebook

– Feed do Podcast do Senhor A

– Novo Feed do Podcast do Senhor A


E-mails: Mande suas críticas, elogios, sugestões e erros para conversa@culturanerdegeek.com.br

Arquivo MP3 (clique com o botão direito e depois salvar link como, renomeie. E bom episódio!)


Participantes: Douglas Quadros e Leo Oliveira em 23/02/2017

Convidados: Tio Helbert, Juliano Madalena, Aida Guerreiro

Edição: Senhor A

Douglas Luis

Fundador do Hordas Trôpegas e do Portal Cultura Nerd e Geek, RPGista, escritor, programador e muitas outras coisas que podem ser abreviadas com NERD!

  • Rafael Henrique Ferreira

    Episódio foda! Não tenho muito o que falar sobre, na verdade meu comentário é sobre os geekbacks huahuahuahuahua. Final Fantasy IX foi o primeiro jogo da série que joguei, não é o meu favorito (esse título é do FF VI mas possivelmente o XV roubará esse posto se mantiver o nível até o fim) porém sempre terá um espaço guardado no meu coração por ter me feito gostar da franquia. História foda, personagens carismáticos e gameplay impressionante, na minha opinião passa longe de ser decepcionante. E Edu, tamo junto, FF VIII que é sim uma decepção daquelas o/ Grande abraço!

  • A voz da Aida é muito boa.
    Muito melhor que essa voz de bosta do Leo. hueheuheuheuehueheuhe

    • Tio Helbert

      Estou precisando de um microfone decente urgentemente….

  • Darley Santos

    Ser professor tem seus momentos estressantes, mas no geral é uma profissão da qual a pessoa se orgulha! O professor é parte importante na vida de muita, mas muita gente! Anos se passam, você está lá escolhendo qual a marca de macarrão você vai escolher no supermercado, quando de repente alguém te cutuca falando a seguinte frase – “professor, professor, lembra de mim?”. É muito amor ^^. É verdade que em outros países essa profissão é estrategicamente valorizada como fator alavancador do desenvolvimento de um país (vide Coréia do Sul), ao contrário do Brasil, onde o dinheiro é muito mal gasto e os investimentos são inadequados, e o professor, principalmente o de rede pública, que tem que lidar com condições adversas no exercício da profissão (drogas, violência, prostituição). Na rede privada, são os alunos mimadinhos que acham que podem tudo porque seus pais estão pagando a escola, sendo o professor visto aí não como um mestre e referência para a vida, mas um mero empregadinho… Tem que gostar bastante pra ser professor do ensino fundamental, e coragem também para não sucumbir aos desafios (veja o índice de profissionais que adoecem no exercício da profissão). Abraços fraternais!

    • Tio Helbert

      Em nome da equipe,Obrigado Darley. Realmente a valorização (ou desvalorização) passar por um estratégia do governo e iniciativa privada para estimular a rotatividade de profissionais e não arcar com os cursos de um profissional com muitos anos de casa. Fora que deixa o mercado “aquecido” então como “qualquer um” pode ser professor sempre tem gente querendo ser professor nem que seja como “bico”. São problemas históricos que pouca gente “poderosa” quer mudar.

      • Darley Santos

        Sim ,a valorização do profissional passa pela previsão de estratégias de formação e aperfeiçoamento do pessoal, fazendo com que o profissional nunca fique estagnado e sempre expanda seu campo de atuação.

  • Rodrigo Bamondes

    Adorei o episódio, ficou muito bom. Hoje faço parte da Brigada de Incêndio do meu trabalho e faço curso de libras no trabalho para aprender a me comunicar melhor com os surdos e a minha professora é surda. Pessoal, é cada pequena dificuldade de comunicação que me abriu um novo universo de comunicação e principalmente de tentar me botar no lugar dos outros, e nesse ponto refleti muito sobre o que a Aída disse. Outra coisa, Apesar de pertencer a iniciativa Tri Force eu acho que ele encaixa e complementa o que foi feito no PQPcast Episódios 115 e 116, Porquê 2016 não foi o ano da educação: http://www.pqpcast.com/blog/116-educacao2 OBS:Fiquei muito feliz por conhecer a mãe do Leozinho, mesmo que só por voz. Muito sucesso ao cast!

  • Normando Silva Junior

    Fala galera. Que programa legal. Sou professor Há 12 anos, aluno por 18 anos, mestre em matemática, atuante em todas esferas do ensino, me identifiquei, parabéns por desmistificar a profissão um pouco. Mérito pela escolha dos convidados.
    Quanto a minha profissão, ressalto o espanto dos alunos sobre o fato de eu jogar mais video-game que eles.
    normando junior, Goiânia-Goiás. 31 anos.

    • Obrigado pelo Feedback Normando. Quem sabe em breve não faremos um novo episódio com a mesma temática, fique ligado. hehe

  • Pingback: PodBrisar #00 - Piloto Brisado - Portal MachineCast()