Ergo #008 – Direitos Civis – Birmingham

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Mais um episódio do Ergo! Iniciamos neste uma série que se estenderá por vários episódios abordando direitos civis.

Neste episódio, Leandro Pereira aborda de forma bastante resumida o terrível cenário do período que vai desde a libertação dos escravos nos EUA até 1963.

Não deixe de ouvir este episódio!

 

Em memória a  Carole Robertson, Carol Denise, Addie Mae Collins e Cynthia Wesley e a todos os homens, mulheres e crianças que ajudaram a mudar o mundo.

 

 

 

 

 

Tema: Direitos Civis

Tempo do Episódio: 00:35:20


Padrinhos: 

  • Agatha Gonçalves
  • Olavo Montenegro
  • Vanei Anderson
  • Pensador Louco
  • Willian Lopes
  • Julian Catino
  • Dario Fukichima
  • Gharcya
  • Lohan Bentemuller


Contato

Mande suas críticas, elogios e sugestões para:

Feeds:


Participantes:

Apresentador: Leandro Pereira

Roteirista: Leandro Pereira

Edição: Léo Oliveira (em substituição temporária ao Berg’s)

Arte da Vitrine: Léo Oliveira

Logotipo: Rafael Ramalli

Convidados:

 

  • Emanoel Rair Amâncio Lima

    Cara eu arrepiei com a moça cantando, vou até compartilhar no meu grupo de faculdade. Tá cada episódio muito melhor. Um grande abraço rapaz.

  • Darley Santos

    Triste episódio da humanidade esse período da escravidão. Me faz pensar na banalidade do mal! Hoje é algo estarrecedor o fato da escravidão, mas ainda assim a barbárie parece nos espreitar, só querendo uma brecha para voltar. É nojento perceber o olhar de convicção de uma pessoa que realmente se acha superior a uma outra pessoa por esta ser negra, é surreal! Um dado curioso, falando de representação midiática sobre o tema, é a quantidade de filmes que falam sobre a escravidão em comparação com o número de filmes que falam sobre direitos civis dos negros – o tema da escravidão é muito pouco abordado, dizem, pois não há final feliz… Sim, pois o fim da escravidão apenas marca o começo de uma luta ainda maior, justamente a luta pela igualdade de direitos… Triste isso, lutar por direitos básicos, que qualquer cidadão deveria ter… Uma vez eu li, em algum lugar, que a percepção sobre os negros é diferente entre os estados do norte e estados do sul dos EUA, pois nos estados do norte (que lutaram pela abolição), em sua maioria, as pessoas concordam que todos somos iguais e devemos bem conviver, mas a ascensão econômica e social de uma pessoa negra não é tolerada, enquanto nos estados do sul se dá quase o oposto, a ascensão de um negro é vista com indiferença, mas a união matrimonial de um homem branco e uma negra não é bem vista pela sociedade. Phoda, um país tão desenvolvido como os EUA e com um mal tão enraizado dessa forma.

    • Os EUA são um grupo de humanos, tão humanos quanto todos os grupos. Ser ou não desenvolvido não muda o fato, infelizmente. Por algum motivo somos assim com grupos de diferentes.

      Mas as leis segregacionistas não se desenvolverem só no sul dos estados unidos. No norte também existe a ideia da superioridade dos W.A.S.P. e lá também existiram essa leis e, claro, há o preconceito. A cidade de St Louis é tida como a cidade mais segregada dos EUA e o Missouri não era parte dos confederados.

      Infelizmente a luta ainda não acabou.

      Muito obrigado pela sua audiência e comentário Darley!

      • O Missouri era confederado sim… Falei besteira. Mas é possível ver essa diferença tbm nos filmes em ny, por exemplo, onde os negros moram no Harlem, por exemplo e os brancos em Hell’s Kitchen e dá problema quando se misturam.

  • Michele Scarton

    É clichê, mas vou dizer: adorei o episódio! E claro, sobre um assunto que vale muito à pena refletir. São tristes as informações e leis absurdas que surgiram, e principalmente esse acontecimento em Birmingham, que eu não conhecia. A música tão linda, carregando essa mensagem de que não podemos ignorar o absurdo que aconteceu. Que temos que fazer ainda mais pelos direitos sociais, pela justiça que não julgaria pela cor da pele. É sempre surreal ver quanto preconceito ainda há, quanta discriminação ainda temos, mas me conforta saber que há luta, e que sempre houve. Mais uma vez, obrigada Lê por mais um Ergo maravi-lindo! Abração! #VidaLongaaoErgo