Fermata Podcast #03 – Ascensão do Ouvir

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

No episódio dessa semana, Leo Oliveira, Thai Souza e Bruno Audi do Podcast Los Chicos, trouxeram um toque a mais sobre a evolução do ouvir música – um pouco sobre como a tecnologia foi modificando essa cultura musical. Venha viajar no tempo conosco, refletindo sobre o quanto a nossa música tem se tornado cada vez mais intimista.

Tempo do Episódio: 01:29:07

Tema: Música

Feeds:

Links do episódio:

Podcast Los Chicos

Podcast FlashNews

Playlist Indicações – Todos Episódios

 

Playlist no Spotify:

 

Músicas que você ouviu no episódio:

Alabama Shakes – Don’t Wanna Fight
Wild Cherry – Play That Funky Music
Greg Howe, Dennis Chambers, Victor Wooten – Lucky 7
Greg Howe, Dennis Chambers, Victor Wooten – Extraction
Hugh Laurie – St. James Infirmary
Ole Børud – She’s Like No Other
Seventh Day Slumber – Break Me
Red – Breathe Into Me
The Letter Black – Overdose
The Who – Baba O’riley
The Who – My Generation
Yes – Owner of a Lonely Heart
Kansas – Carry On Wayward Son
Anberlin – Paperthin Hymn
Gnarls Barkley – Crazy (Cover) by Daniela Andrade
Incognito – Talkin’ Loud

 

Indicações Musicais:

Thai Souza:

Radiohead – Creep (cover) by Daniela Andrade

Bruno Audi:

Anberlin – Alexithymia

Album: Cities (2007)

Leo Oliveira:

Incognito – Talkin’ Loud

Album: Positivity (1993)

Redes Sociais:

Facebook Fermata Podcast

Twitter Fermata Podcast

 

Links comentados na leitura de emails:

Perfil do Fermata no Spotify

Spotify do Leo
Spotify da Thai
LastFM do Leo
LastFM da Thai

 

Indicações dos ouvintes:

Agatha Gonçalves:

Pagan John – Black to Grey
Pagan John – Inesperado (Só mais uma vez)
Pagan John – Meu Cais (Onde estiver)
Pagan John – She Is My Hero
Plutão Já Foi Planeta – Suma Daqui
Plutão Já Foi Planeta – Você Não É Mais Planeta
Preto Massa – Fumaça

Berg’s – PlataformaGeek:

Rise Against – Give It All
Rise Against – Help Is On The Way
Rise Against – Hero of War

 

Parceiros:

– Conversa Nerd & Geek

– FlashNews

– ZCast

– Site do Editor Senhor A


E-mails: Mande suas críticas, elogios, sugestões e erros para fermatapodcast@gmail.com

Arquivo MP3 (clique com o botão direito e depois salvar link como, renomeie. E bom episódio!)


Participantes: Leo Oliveira, Thai Souza em 03/08/2016

Convidados: Bruno Audi

Edição: Léo Oliveira

Leo Oliveira

Músico, baixista, gamer e fã de quadrinhos, além de ser fanático por series e totalmente viciado em filmes. Fã de diretores como David Fincher e Quentin Tarantino, além de totalmente viciado no universo Star Wars e apaixonado pela Terra Media!

  • Vanei Anderson Heidemann

    Nos primórdios da pirataria de música por MP3, um dos melhores programas que usei se chamava “Audio Galaxy”. Ele tinha uma feature avançada pra época: permitia controlar a lista de downloads remotamente. Deixava minha máquina ligada em casa e do trabalho mandava baixar músicas em casa!

    • Léo Oliveira

      Fala Vanei

      Nunca tinho ouvido falar nesse programa ahahah … eu usava demais o kazaa e o ares haahahaha
      mas excelentecontrolar os downloads dai nao tem que ficar toda hora no pc mexendo nisso hahahahah

      Obrigado por ta sempre comentando nos episódios!

      Grande abraço!

      • Vanei Anderson Heidemann

        O Audio Galaxy é de antes do Kazza, eMule, torrent, Napster e afins (pelo menos descobri ele antes). Também desapareceu bem antes. Fica a indicação pra se um dia resolverem fazer um episódio sobre os softwares de download de música…

  • Pétrus Davi

    Olá leo e thai, tudo bem? Sobre o episódio, acho que a evolução de ouvir música também se aplica a podcasts, pois ouvir podcasts a uns anos atrás também era complicado, poucas pessoas sabiam manusear o feed e se duvidar, até hoje ainda devem ter pessoas que apenas baixam pelo site e se quer sabem da existência de feed, agregadores…Mas voltando as musicas, imagino o quanto devia ser complicado para a galera conseguir as musicas como foi bem mencionado. Acho que esse comentário vai ficar curtinho mesmo, ótimo episódio e abraços! 🙂

    • Léo Oliveira

      Grande Pétrus

      Com certeza os podcasts tambem pegaram um pouco dessa evolução. Todo mundo praticamente começa pelos sites e depois acaba indo pra agregadores pra facilitar o controle e a forma de ouvir.

      Obrigado por esta sempre comentando. E não importa se pequeno o comentario não … pq já fica lindo <3

      Grande Abraço!

  • Vanei Anderson Heidemann

    O Spotify se tornou quase que sinônimo de streaming, porém particularmente prefiro o Google Play Music. Por alguns motivos:
    1) O Spotify ficou muito tempo de birra, se recusando a suportar o chromecast, então assinei o Google e montei minhas playlist lá.
    2) O Google permite comprar músicas. Estou num trabalho de “legalização” da minha biblioteca de músicas. Gradativamente estou comprando as músicas que hoje ainda tenho pirata no HD.
    3) Permite o upload, como uma espécie de backup, da minha biblioteca.
    4) Sempre sou do contra.
    Recentemente assinei também o Spotify por causa do aplicativo pra PS4 e principalmente dos amigos: fizemos um plano família, rachamos o custo e vamos montando playlists colaborativas para as festinhas. Tentei fazer isso com o Google Play Music, mas não gostei da forma que o Google faz (e também não consegui converter minha assinatura pra família, só dava erro).

    • Léo Oliveira

      As vantagens de termos varios aplicativos de streaming que tenham a mesma função, é que cada um dele tem sua caracterista quem marca mais. Eu comecei com o Spotify, depois passei pra o deezer e não curti tanto, tentei o Apple Music tambem, é legal, mas o que me dei bem mesmo foi o Spotify rs

      Depois vou testar o Google Play Music pra ver como é

      Vlw pela por por sinal!

      Grande abraço!

  • Tiago Ramos Melo

    Num tempo em que eu escutava muito rádio FM e quando gosta de uma música me preparava que nem um doido uma fita K7 e começava a gravar…..fiz por um bom tempo isso e com isso criava minhas primeiras trilhas sonoras para os meus passeios e andadas com meu Walkman. Com o tempo e a vinda da mídia mp3, tive que me adaptar pois ainda não tinha computador e o pouco tempo de usava nas lans da vida era pra vasculhar músicas que curtia no Youtube.
    Quando ganhei um celular que reproduzia mp3, pronto!!! Cabinho USB pra todo qualquer canto e baixar um monte de música…aí começou fazer um mini estação de rádio no meu celular. Sem contar que por causa disso fui buscando grandes bandas e claro vocês podcasters. Muito bom esse cast, estão de parabéns, não vou mudar a sintonia, ou a faixa ou o arquivo kkkk. Sucesso pra todos.

    • Léo Oliveira

      Cara, eu tinha um sério problema com Walkman pq eu sou muito desastrado e me mexo demais andando na rua então aquela merda nunca dava certo hahahaha as vezes eu passava pra fica K7 as musicas do cd pra depois ouvir no meu gravadorzinho portatil que tinha kkkkkkkkkkk

      Obrigado pelos elogios!
      Aguardaremos futuros comentários nos proximos episodios!

      Grande abraço!

  • Pingback: Chicos News 34 - O Cárcere Privada, A Bomba Gira e Os Pokemongos - Podcast Los Chicos()

  • Jorge Cardoso

    Meu pai gostava muito de MPB e tinha muito orgulho de sua aparelhagem com vinil e k-7. Eu descobri o rock aos 9 anos de idade (começo da década de 80) através da banda Kiss. Todo final de semana eu ia com ele a uma loja de discos. Ele comprava vinis para ele e pegava emprestado com o dono da loja os vinis que eu gostava. gravava em k-7 para eu ter e devolvia na semana seguinte. Ou seja, eu tinha as fitas mas não as capas, e convenhamos, capas de rock costumam ser sensacionais. Trauma!!! hauhsuahsuahua

    • Léo Oliveira

      Grande Jorge

      Poxa … já começar de cara assim com o rock vindo do pai deve ser sensacional ahhaha … meu pai era mais da bossa nova e essas coisas… dai eu tinha a velha mania de achar que era musica de velho hahahaha mais hoje em dia sempre sento pra curtir o som com ele!

      Vlw pelo comentario!

      Grande abraço!

  • Darley Santos

    Vemos aqui a evolução do mercado fonográfico, do analógico ao digital, com todas as novidades paralelas a essas inovações, como os programas de TV voltados para música e por último os serviços de streaming e as redes sociais. Não cheguei a pegar os tempos áureos da MTV, mas sempre soube do papel da MTV no cenário musical. Antes de ter acesso a MTV, curtia aqueles programas da TV aberta de exibição de clipes, como o Clipe Mania e o Interligado. Lembraram do Programa Livre também, fui conhecer só através do YouTube assistindo a participações de grandes bandas no programa; o Serginho Groisman só fui acompanhar já no Altas Horas.
    Cara, confesso que nunca tinha ouvido falar do Napster… Uma vez tava procurando uma música e entrei num site de radio online, mas acho que não era o Last.fm, e conheci uma música que escuto até hoje e que de outra forma muito provavelmente jamais conheceria hahah, é a música “Prawo Izaaka Newtona” da banda polonesa Skaldowie, eles fazem um jazz rock (?) com uma coisa meio progressiva e psicodélica (?).
    Confesso que até hoje me admiro com as facilidades do mundo digital… lembro direitinho da primeira vez que vi um pendrive, isso em 2004, um amigo meu trazia dentro dele discografias inteiras de várias bandas… Fiquei perplexo e desconfiado, pois até então só escutava CD’s comprados nas lojas de disco (na minha cidade não existem desde esse tempo) e pela Som Livre, e pra mim era surreal ter uma discografia de uma banda com 50 anos de carreira, com seus lá quarenta álbuns, dentro daquela coisinha que conectava no computador… Depois disso aprendi a baixar música pela internet, isso já de 2011 pra cá, tempo que passei a ter acesso a web, e aí criei o hábito de baixar discografias inteiras, de grátis… Ainda usei bastante os serviços do Megaupload kkkk.
    Vocês falaram das vantagens da música digital, como a facilidade de quebrar a pirataria e o mercado de streaming. Mas pergunto para o Léo: as mídias antigas não tinham uma qualidade superior, como propagam os seus apologistas retrôs? Alegam que um LP proporciona uma experiência tátil, visual e auditiva, isto é, total – o prazer de manusear o vinil; ter a arte dos discos nas capas e encarte; e um som com uma suposta superioridade qualitativa. Mais acertadamente é possível dizer que o mundo das mídias digitais democratizaram a produção e o acesso à música. Eu uso o Spotify, tenho toda a discografia da banda Badfinger lá, que eu amo.
    Léo falou que sente falta da galera curtido junto presencialmente como acontecia com as mídias antigas, aí lembrei de umas redes sociais como o Plug.dj e Dubtrack, das quais sou usuário, que são sites de “social DJ”, nas quais você monta suas playlists e as executa dentro e para a comunidade. Aliás, sábado vai ter baladinha…
    Gostaria de citar umas bandas aqui. Primeiramente, uma banda indie dessas de Youtube, a Walk off the Earth, muito conhecidos também por seus covers. A banda indie canadense The Seasons, uma banda bem simpática. E uma outra banda, Léo, que não sei se já ouviu cara, muito booooa!, é a The Tedeschi Trucks Band, uma banda americana sulista de blues rock, muito gostoso o som deles.
    Abraços gente linda, desculpe pelo texto em termos de web longo heheh!

    Versão de Happy do Pharrell Williams por Walk off the Earth(https://www.youtube.com/watch?v=IbVoo7YLWnI)

    • Léo Oliveira

      Grande Darley

      Anotei todas suas indicações aqui e pode ter certeza que vou deixar aqui na minha lista pra baixar e ouvir. Muito legal essa versão da Happy .. vou procurar mais videos deles no canal. Muito bom mesmo.

      Respondi você mais detalhadamente na leitura de comentários do episodio 04 de Rock Progressivo. Ouva que tá bem legal o episódio tambem hahaha.

      Cara … ouvi o som do The Tedeschi Trucks Band e caraaaaa … que som sensacional! MUITO BOM MESMO … vou caçar pra ouvir mais… um blues mo delicia de ouvir.

      Continue assim e mandando varias indicações!

      Grande abraço pra ti e muito obrigado pelo comentário!

  • Olá fermatados, mais um magavilhoso episódio. Excelente mesmo.

    Deixarei duas curiosidades:

    Na verdade, essa história de que “internet está matando a indústria fonográfica” é uma besteira sem tamanho. Essa indústria, como modelo de negócios, já estava fada a morrer há muito tempo. Mesmo que no Brasil isso não tenha sido tão divulgado, lá fora já havia campanhas pré-MP3 para banir o uso de cassetes, porque estavam matando a indústria fonográfica. Essas tentativas frustradas de barrar o compartilhamento livre (ou ao menos mais acessível em termos de preço) apenas ganharam mais desespero com a chegada da internet e os meios que vocês mencionaram, mas sempre existiu. Bootlegs de shows, vazamento de masters e etc. sempre aconteceu. Eu mesmo ainda tenho aqui em algum lugar um VINIL PIRATA de uma banda (Slayer) que nem chegava no Brasil, por causa da dificuldade de importação na época. – http://noisey.vice.com/blog/music-piracy-bootlegging

    Outra curiosidade que deve agradar aos chocólatras hipsters: no início do século passado, na Alemanha, uma empresa tentou popularizar os discos de chocolate, que poderiam ser ouvidos no fonógrafo por bastante tempo, e comidos quando começassem a mostrar arranhões. Claro que a ideia não durou muito tempo, porque a maleabilidade do chocolate tornava difícil a audição das músicas. Mas hoje em dia, descobri que há pessoas refazendo essa ideia e vendendo música comestível em delicatessens ao redor do mundo. Caiam dentro.

    No mais, ótimo episódio e permaneço um devotado fã do trabalho de vocês. Abração. 8)

    • Léo Oliveira

      PERAAEEEE

      VINIL PIRATA ? dessa não sabia hahahahahahah
      Muito obrigado pela contribuição com a pauta cara. Eu realmente não sabia dessa historia de que desde o K7 que a industria da musica diz que esta morrendo. Por sinal, é praticamente a mesma historia da rádio com a TV, surgiu a TV, mas sempre vai ter espaço pras duas, e a radio ta viva ai hoje ainda pra provar isso, então não é necessário um mercado morrer pra que um novo apareça.

      Cara … fiquei com muita vontade de comprar esses vinis de chocolate ae hahahaahahahahah EXCELENTE!

      Vlw pelo comentario e por sempre ta dando força pra nós aqui!

      Grande abraço ao grande Pensador Louco!

  • Karoline Oliveira

    Olá seus lindos do meu coração. Bora lá!
    Eu comecei a gostar de música desde pequena porque sempre frequentei a igreja, então música sempre fez parte do que sou. Mas a mamãe também me ensinava a ouvir Withney Houston kkkk.
    A MTV era vida, eu assistia bastante mesmo que já estivesse meio diferente do que vocês assistiam quando mais novos, mas eu curtia muito, e ela me fez ingressar no gênero do pop e rock.
    A Thai falando sobre Avril Lavigne e Simple Plan kkkkk, sempre ouvia. Melhor época. E eu também ouvia música em fita, era tãaaaaao legal.
    Eu já nasci na época do rádio e de cd’s o que era bem mais fácil. Nem imagino como seria sair sempre de casa pra ouvir música, já que tenho tudo na mão agora.
    Conheci sobre o Lenine por uma professora de português, e curti muito. As letras dele são lindas e incrivelmente inteligentes. É uma verdadeira beleza audível.
    É uma coisa muito boa ter tudo na mão hoje porque antes na rádio a gente tinha que ficar esperando a música que a gente queria kkkkk. Apesar de que conhecíamos outras novas através disso.
    Thaaaai, essa indicação. Apaixonei! Eu adoro essa música do Radiohead e esse cover ganhou meu coração.
    Episódio genial, e esse cast lindo. Adoro vocês e até o próximo! <3

    • Léo Oliveira

      KAKAAAAAA

      Palmas pra sua mão que já começou te apresentando Withney hahahaha elá manda demais mesmo.

      Caraaaaa… que inveja de ti por ter uma professora trabalhando Lenine em sala de aula. Não sei se a senhorita sabe mais ele é um dos meus maiores idalos da musica brasileira e um cara que eu admiro demais, e minha infância seria muito melhor se minha professora ensinasse com as musicas dele HAHAHAHAHAHAH.

      Daniela Andrade foi uma das melhores coisa que a Thai já me apresentou … e olha que ela me apresentou um cado de coisas legais ae hahahahahahahahaah

      Acho que a melhor até agora foi Cícero que eu AMOOOOO!

      Muito obrigado pelo comentário KAKA

      Beijooooos

  • Oioi gente

    Tô atrasadinha (estava de férias da vida ahahha), mas não vou deixar de comentar 🙂

    Eu sempre gostei muito de música, porque antes de ser gorda, eu dançava balé e jazz haha então eu me envolvia muito com esse meio musical para saber das novidades.
    Foi através da MTV que aprendi a conhecer outros tipos de músicas, mas eu só via/ouvia em alguns fds, porque na minha casa não funcionava e eu só assistia quando ia na minha vó que mora na capital de SP (moro no interior).

    Só que se for para voltar BEM atrás e rever o que eu comecei a ouvir, foi Roberto Carlos (SIM! haha). Minha mãe comprou uma fita e eu me amarrava em ouvir as músicas dele. Até que um dia entraram em casa e roubaram algumas fitas (sim, só roubaram as fitas) e a do Roberto Carlos estava no meio.

    O Spotify é uma das melhores coisas da vida. Eu pago aquele pacote família pra ninguém ficar me enchendo o saco e pedindo pra baixar música hahha

    Beijooos

    • Léo Oliveira

      Agathaaaaaaaaaa

      Senti saudades de seus comentarios e suas indicações na ultima leitura de e-mails mas pode ficar tranquila que vamos ler esse comentário lá tambem!

      Cara, MTV me apresentou o que me levou pro mundo do Rock e da musica que foi RHCP cara, alem de milhares de outras bandas. No inicio dos anos 2000 que o Nu Metal estava bombando eu ADORAVA a MTV e conheci muita coisa boa por la. Lembro até hoje que tava muito viciado em Korn na época, e quando tava vendo MTV e passava um clipe deles eu PIRAVAAAAAAAA HAHAHAHAHAAHH

      Nosssa … começar com Roberto Carlos ahahhahahaah
      Meus pais amavam ele cara, mas eu sempre tive um grande preconceito por ser musica de velho hahahaha. Lembro que meus pais tinha um quadro grande na sala com uma foto deles com o Roberto Carlos que foi tirada em algum Show dele… ficava quase como um troféu na sala!

      Muito obrigado pelos comentário AGATHAAAAA

      Grande beijo pra ti!