Fermata Podcast #31- Como descobrimos música hoje?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Sejam bem-vindos a mais um episódio fermata. Nesse ilustre episódio o Leo Oliveira, Leandro Pereira convidaram a Julia Padovan do Discoteca do Meu pai, para abordar sobre como falamos sobre os meios que discutimos musica hoje. Então, como fazemos para conhecer novas bandas hoje em dia? Na conversa falamos um pouco de como era mais dificil no passado para conhecermos novos artistas e como usamos o spotify, Youtube, TuneIn, last.fm, allmusic e outros meios para descobrir o que há de bom nesse grande e vasto mundo da música.
Vem ouvir!

Tempo do Episódio: 01:48:46

Tema: Musica

Entrem no nosso Grupo no Telegram!

Feeds:



Padrinhos: 
Agatha Gonçalves
Dario Fukichima
Olavo Montenegro
Vanei Anderson
Pensador Louco
Willian Lopes

Links do Episódio:

– Playlist Indicações – Deezer  – Fabrício Cordeiro

– Discoteca do meu Pai – Julia Padovan

 

– Ouvindo Capivaras – Encontro de podcasters e ouvintes de Curitiba – Evento no Facebook

– Site Podosfera Unida 2017 

Andanças na podosfera:

– Natypapo #07 – Léo Oliveira – Léo Oliveira

Playlist no Spotify:
 

Músicas que você ouviu no episódio:

Prove My Love – Violent Femmes
Jungle Boogie – Kool & The Gang
Fleetwood Mac –  The Chain
New Order – Age of Consent
Os Paralamas do Sucesso – Óculos
Come A Little Closer – Cage The Elephant
All I Want – Tim Maia [Disco Club]
Supertrump – Goodbye Stranger
Stone Dead – Candy
Gabi e Os Supersônicos – Camomila
Tame Impala – Mind Mischief
Ole Borud – Keep Movin
Paul McCartney & Wings – Mrs Vandebilt
M83 – Midnight City
Bombay Groovy – Pavão Andaluz
Baleia – Furo
Kylie Minogue – Love At First Sight
Cynic – Evolutionary Sleeper
Mahmundi – Imagem
Stone Dead – Candy
Wilco – Casino Queen from A.M.
Superchunk – Driveway to Driveway
The Claypool Lennon Delirium – Mr. Wright
The Claypool Lennon Delirium – Cricket and the Genie
dEUS – put the freaks up front
dEUS   Instant Street
Maserati – Abracadabracab
Maserati – Monoliths

Indicações:

Léo Oliveira :

Maserati – Monoliths

Leandro Pereira:

The Claypool Lennon Delirium – Cricket and the Genie

Julia Padovan:

dEUS   Instant Street

Redes Sociais:

Facebook / Twitter / Spotify / Instagram

Perfis do  Spotify:

Leo Oliveira / Thai Souza / Leandro Pereira

Perfis do Last.fm:

Leo Oliveira / Thai Souza

Playlists Pessoais:

O que a Thai anda ouvindo
O que o Leo anda ouvindo



Email: fermatapodcast@gmail.com


Participantes: Léo OliveiraLeandro Pereira
Convidado(s): Julia Padovan
Editor: Léo Oliveira
Arte da Vitrine: Léo Oliveira
Pauta: Léo Oliveira

Leo Oliveira

Músico, baixista, gamer e fã de quadrinhos, além de ser fanático por series e totalmente viciado em filmes. Fã de diretores como David Fincher e Quentin Tarantino, além de totalmente viciado no universo Star Wars e apaixonado pela Terra Media!

  • Vanei Anderson Heidemann

    Ultimamente, com minha paciência e tempo limitado, descobrir músicas limita-se a ir em um dos serviços de streaming (Spotify ou Google Play Music), escolher uma música que lembrar na hora e clicar em “Iniciar radio” a partir dessa música.

  • Vanei Anderson Heidemann

    Interessante a indicação do site allmusic.com, não conhecia. Tirando o fato de ser extremamente poluído por propaganda, é uma boa fonte de informação. Podiam ter disponibilizado uma API para desenvolvedores, com a quantidade de informação que tem lá, daria para fazer uns programinhas interessantes integrando com Spotify e outros…

    • É, eu queria muito que o Spotify usasse de conhecimento de música dentro dele. O Allmusic sempre foi extremamente pesado. Ele passou por uma reforma que o deixou pior de visualizar, mas, de fato, o que tem lá é maravilhoso.

      Obrigado pelo seu comentário Vanei!

  • William Floyd

    Episódio foda…
    Eu me lembro que no inicio dos anos 2000 eu era meio q louco pelas revistas Rock Brigade e Road Crew (ambas voltadas somente para o mundo do metal)… que com certeza eram as melhores fontes para se conhecer novas bandas… porém tínhamos a dificuldade de que para conhecer as bandas indicadas era preciso comprar os CD’s, então junto com um pequeno grupo de amigos nos organizávamos para não comprarmos o mesmo álbum.
    Dá um puta saudosismo… mas ainda bem q essa fase já passou… hj eu procuro muita coisa no metal-archives.com e com os amigos…

    • Realmente, metal sempre teve essa coisa de ter várias coisas pra apresentar bandas né. Tinha esquecido que tinha uma dezena de revistas de metal nas bancas. A gente tbm fazia esse esquema. Todo mundo passava a fita virgem quando comprava um cd… era da hora por um lado, mas não é um tempo que me deixe saudades ahhahaha

      um abraço Will

  • Gharcia

    Olá Fermata Casters!

    Que foda… é sempre a minha dúvida cruel: onde eu acho música nova que eu goste?

    Me lembrou uma coisa: antigamente, eu usava SoulSeek. Funcionava como o Kaaza e similares mas o usuários estavam em outros continentes. Então eu usava ele pra rastrear música de anime.
    “Rastrear”, resume pausar o anime, tentar catar ali nos créditos os kanjis do nome da música, usar um silabário pra tentar achar o nome na internet. E depois rastrear o nome do artista.

    Depois surgiu um site chamado Midomi. Vc cantava pra ele e ele achava a música pra vc.
    Saldo engano, ele virou o SoundHound. E consegui rastrear bem melhor as músicas…

    Hoje, percebi que tinha um backup dessa pasta. Chamado “Welcome do my Soul”
    Tem 120 gigas de tudo o que eu achei.
    Pronto. Apaguei tudo o que não escutava. Tipo uma pasta com todos os álbuns dos Beatles.
    Agora tem 10 gigas.

    https://uploads.disquscdn.com/images/62e5dec80bc155152830b04dde5ce8cbfbfb09151340f504347d52d3fade5baa.jpg

    Hoje, as músicas me acham… em lugares comuns como filmes (Amelie Poulain com Yan Tiersen, por exemplo) ou Jogos (Como Fortissimo Katamary do Katamari Damacy) e até mesmo Doramas como Alfaiataria Loureiro (Ah Choo – Lovelyz).

    Ou lugares incomuns como comerciais japoneses (Kiari pamiu pamiu conheci assim… Fashion Monster… que música duvidosa… enfim).

    Mas a trilha sonora que vcs, podcasters, utilizam tem me dado muitas alegrias.

    Desde “Hora no Almoço”, do Belchior (usado pelo Xorume em uma leitura de e-mails) até um podcast que colocou “Jump Up, Super Star!” (trilha de abertura do Super Mario Odissey) que foi utilizado na abertura do episódio do CuizCuiz Cast

    É isso. Grato pelas indicações e pelo cast mais do que instrutivo.

    Abraços e Sucesso!

    https://uploads.disquscdn.com/images/62e5dec80bc155152830b04dde5ce8cbfbfb09151340f504347d52d3fade5baa.jpg

    • Eu acho que troquei o Napster pelo Soulseek no meu discurso, quando falo que dava pra buscar dentro da pasta do cara. Não lembro se dava pra fazer isso no napster agora.
      Eu gostava do Seek. Consegui amigos lá. Uma vez eu comecei a baixar coisas da Mercedes Sosa. A pessoa veio falar comigo, era uma polonesa. Trocamos muitos e-mails, muitas mensagens, foi um negócio muito legal. Sdds soulseek.
      Mas realmente, por não ter tanto gosto por música japonesa, eu conheço quase nada. Tinha um guitarrista que eu ouvia na época do Seek, o Miyavi. Ele era muito bom, fazia tudo o que é tipo de música.

      Um abraço!

  • Tiago Ramos Melo

    Fala Léo e Léo, um podcast mostrando que ainda tem várias maneiras de buscar música nesse mundo hiper interado e como evoluíu e muito como nós aventuramos nessas novas paradas que vêm.

    Falando nisso, sou um cara que vai ao regresso, adoro novidades que sejam velhas, pois tenho um monte de banda que curto porém gosto de procurar mais e mais de cada banda que curto, não é a toa que sempre varro nas internets da vida pra buscar, tanto que em casos dá sucesso e ainda pegou coisas mais velhas que pra mim ainda é uma novidade pois não ouvi ou que seja diferente do que escutava.

    Atualmente a única vitrine de novidades que encontro as músicas e andar no que está acontecendo nessa terra é principalmente escutar algumas rádios via streaming, como ainda gosto da cultura japonesa sempre procuro rádio onde toca mais j-pop e trilhas sonoras de animes e de jogos. Além disso o Youtube ainda é o vitrine que mais rastreio pois como tudo passa por lá ainda é uma forte fonte de pesquisa em relação principalmente do novo cenário musical.

    Bem somente é isso, agradeço por mais um episódio interessante e principalmente pela convidada que por vocês agora sou mais um que escuta as “pílulas” da Discoteca do Pai (que não é Inri Cristo, tá parei com a brincadeira). Até a próxima e vamos botar o play pro novo, ou pro velho depedendo da sua pesquisa.

    • o Discoteca do Meu Pai realmente é realmente muito legal. A Júlia manda bem demais. O youtube é legal quando é mais pro aleatório. Esses novos algoritmos meio que te empurram pras músicas mais famosas. Tipo, vc começa ouvindo Michael Jackson e em 3 músicas cai um Despacito. Gosto de ir pro lado B da coisa. Mas realmente é muito bom!

      • Tiago Ramos Melo

        Isso que é o ruim do Youtube, pior quando deixa ele aleatóriamente… tenho que olhar no lado da página pra ver se tem algo semelhante que no caso não é certeza.

  • Lohran Bentemuller

    Sério que ninguém citou youtube como fonte de música? Já conheci cada coisa linda por lá. Recomendo fortemente a banda “Ave Sangria” (eles só tem um albúm). Um progressivo brasileiro com elementos nordestinos, se não quiserem ouvir o álbum todo, escutem a música “O pirata”, é muito boa. Lembram do festival que eu fui com minha esposa para ver a banda Jethro Tull ? Os caras tinham recém voltado e foram tocar nesse festival apresentando o único CD deles e eu ouvi (e vi) isso ao vivo. Parabéns pelo cast, Vcs são lindos (não importa o que as pessoas digam).

    • Léo Oliveira

      HAHAHAH
      Acho que chegamos a citar youtube como os canais que falam sobre musica, como eu ate falei la do pipocando musica e tals… mas normalmente a forma que mais uso pra conhecer musica é por esses canais mesmo.
      Mas tenho o exemplo do que talvez seja minha banda Atual favorita que é o Snarky Puppy. Conheci atraves dos relacionados enquanto assistia uns videos do Dirty Loops ahaahahah

      Obrigado pelo elogio a nossa beleza, minha mae sempre disse isso.

      Abraços!

      obs: minha mãe não enxerga

  • Darley Santos

    Conheci música por meio de revistas ou em conversas com amigos… Hoje com a internet muitas vezes sou que apareço com novidades, pois acabo garimpando uma coisa ou outra e pimba!, descubro algo novo e diferente… Hoje uso bastante o Spotify, boto as músicas pra rodar e vou fazer as coisas. Mas lembro aqui de ter conhecido e feito parte de um grupo que se reunia todo sábado pra compartilhar música num ambiente de balada – é o site https://plug.dj/. Curtia demais escutar músicas diferentes indicadas pelos parças, ao mesmo tempo em que batíamos altos papos no chat, além de estar, do outro lado do monitor, com um copo que dificilmente ficava vazio daquele meu vinho de pirata! (Não é o tal Rum..).

    • Léo Oliveira

      Nossa … eu particularmente nunca tive experiencias com revista de musica. No maximo de revista que gostava era as de games (pq tinha uns codigos pro jogos) e uma que … melhor nao falar aqui ahhaahhahahahaha

      Excelente dica … nao conhecia esse site

      Muito obrigado pelo comentário !

      Grande abraço!

  • Carlos Nani

    Eu senti falta de duas maneiras que as pessoas mais descobrem música atualmente (eu diria que deve ficar páreo com o Spotfy, segundos o Instituto de pesquisas Carlos Nani rs), seja matando um gangster, roubando um carro, andando de skate, tocando uma guitarra de brinquedo, atropelando alguns pedestres, destruindo robôs, exterminando demônios, cauterizando fadas, derrubando gigantes ou mesmo em um corriqueiro assalto a uma loja em um posto de gasolina, você pode conhecer músicas novas jogando Games. Comecei a ter essa experiência quando na casa de um amigo tive a oportunidade de jogar Guitar Hero e anotar a set list do game. Outra experiência marcante foi ouvir as músicas das rádios do GTA San Andreas, músicas essas que estão até hoje no meu playlist ou no meu HD (juro que tudo de forma legal rs).
    Outra forma de consumir música indiretamente é o cinema e séries de TV, principalmente agora que usar músicas nas trilhas sonoras dos filmes, fazendo parte do enredo ou mesmo de forma gratuita, voltou a moda. Exemplos bem recentes desses filmes seria Guardiões da Galaxia e Esquadrão Suicida, que trouxeram músicas bem interessantes em suas trilhas sonoras. Como exemplos de filmes mais antigos, Moulin Rouge e Pulp Fiction (Tarantino sempre foi ótimo nisso) seriam bons exemplos.

    Um forte abraço e continuem afinando as agulhas de suas vitrolas !!! rs

    • Léo Oliveira

      Grande Nani

      HAHAHAh excelente
      Nossa realmente, acho que minha maior experiencia com The Offspring é ouvir All I Want enquanto jogava Crazy Taxi. Ou então os RAP TOP que tocava no Need For Speed hahahahaha

      GTA tinha varias musicas da hora mesmo

      Cara, Guardiões da Galaxia é exatamente isso, uma mixtape foderosa como trilha de um puta filme … maravilho

      BOAAA … tarantino sempre foi um meio pelo qual eu comecei a ouvir diversos artistas … o cara tem um puta gosto musical

      Vlw pelo comentario e um grande abraço!

  • Jorge Augusto

    Salve Leo e Leandro! Quanto tempo não passo por aqui, não é mesmo? Consegui voltar a ouvir o Fermata, e agora vou tentar acompanhar um pouco mais. O nível de vocês continua foda, parabéns. Tá até melhor. O meu maior susto foi ver que quem tá editando o Fermata é o Leo agora, e não o sr. A.

    Indo para o episódio: como eu descubro músicas novas? Normalmente graças aos amigos, à edição (quando eu uso as OST dos animes) e vez ou outra pelo YouTube e pelo Spotify.

    Mas eu posso dizer facilmente que 95% do que eu ouço são divididos entre as indicações dos amigos e as pesquisas para edições. Uma banda que eu descobri recentemente é a Wagakki Band (que eu até peço que meu comentário seja lido ao som de Senbonzakura), é uma mistura de rock com música tradicional japonesa… É simplesmente sensacional.

    Grande abraço e até o próximo comentário!

    • Léo Oliveira

      Falaaaaaaaa Jorge
      Saudades de seus comentários aqui e fico feliz demais em vê-lo de volta
      Obrigado pelos elogios, mas o fermata desde o inicio é editado por mim mesmo. Eu tenho apego demais ao formato e não sei se consigo deixar o podcast na mão de outras pessoas hahahahaha

      Excelente indicação musica por sinal
      Vou colocar a banda na minha lista pra ouvir aqui no meu desafio de alguns ahahhaah

      Vlw cara grande abraço pra ti !

  • Eugenio Hoch Jr

    Episódio bacanérrimo! Me fez lembrar a época que eu ia a caça de bandas novas nas lojas de discos aqui da cidade. Sim. Não tinha internet nos anos 80 e muito do que descobria e conhecia era através da revista Bizz ou do programa Realce, que apesar de eu nunca ter subido numa prancha, gostava de assistir. Eu visitava sempre três lojas que traziam coisas importadas e trocava figurinhas com amigos que ouviam coisas diferentes de mim ( olha o meu pensamento na época: ” pra que vou querer comprar disco de banda nacional se já toca na rádio?”) Tosco! Hoje, sou um acomodado e continuo ouvindo o que ouço há mais de 30 anos, só agora pedi ajuda ao Pensador Louco e ele me indicou duas bandas fodas ( pra mim, pelo menos) também uso YouTube e um aplicativo chamado Discovr Music, que já foi descontinuado e quem pegou, pegou. Ele te da indicações de bandas e musicas baseados no seu gosto musical. Funciona.
    É isso. Desculpe o texto grande, mas o episódio me lembrou de uma época muito divertida.
    Beijos e abraços.

    • Léo Oliveira

      Eugenio o/
      Saudades de seus comentários por aqui o/
      Realmente as revistas são otimos meios, a pesar de eu nunca ter pego essa epoca. Como eu já cresci com computador e internet em casa, lá por 2000 (que foi quando comecei a ouvir musica direto) eu já usava a internet para pesquisar esse tipo de coisa, mas confesso que 99% do que ouvia era por conta do meu irmão e seus amigos que me indicavam bandas e emprestavam cds

      Pensador Louco é um GRANDE MEIO de se conhecer som atual e um som FODA nesse mundo ae … ele sempre tem indicações excelentes.

      JAMAIS SE DESCULPE por textos longos hahaha queremos mais isso mesmo

      Muito bom ver vc de volta aqui
      Grande abraço!

  • Dario Fukichima

    No meu passado, muito distante, descobri muita coisa em lojas de disco, especialmente na Nuvem Nove (ouçam o PoeiraCast e procurem o documentário no Vimeo), mas, também em algumas lojas na Galeria do Rock e Galeria Nova Barão (que ainda frequento). Também acompanho alguns críticos ou jornalistas musicais. Aqui no BR o Regis Tadeu vira e mexe indica algo novo (de vários gêneros). Li muitos fanzines também… o melhor dos últimos tempos aqui no BR foi o Poeirazine. Ultimamente, fuço muitas playlists no Spotify e Youtube, além de participar de grupos do Facebook sobre alguns gêneros… depois vou ao Discogs e procuro os álbuns. Particularmente, gosto muito de fuçar onde determinado músico tocou… assim vou descobrindo alguns sidemen, álbuns e artistas novos. Recomendo aqui uma ‘supergrupo’ que descobri fuçando o Discogs: The Sound Stylistics… que teve na sua (curta) duração a nata do jazz funk londrino.