Lançamento de livro em São Paulo: Lázaro – A Maldição dos Mortos

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

O apocalipse zumbi começou. E foi na Avenida Paulista!

No dia 24 de junho, São Paulo será palco de dois eventos memoráveis. Na ficção, a cidade será invadida por uma horda de mortos-vivos devoradores de cérebros. Na vida real, será palco do lançamento de Lázaro – A Maldição dos Mortos, terceiro livro do autor nacional A. Wood, publicado pela editora Selo Jovem. O evento acontece às 13 horas, na Biblioteca Villa-Lobos.

Okay, o autor me disse que os zumbis dele não comem exatamente “cérebros”. Eles comem “carne humana”. Chega de bagunça, a parada aqui é séria! 😀

A. Wood – pseudônimo de Vinícius Fernandes – é tradutor profissional e trabalha como professor de inglês. Ele nos traz uma história de terror que se passa no Brasil, em ruas onde ele e muitos de seus leitores já caminharam. É para você pensar bem: “para onde eu correria se estivesse ali?” Os personagens decidiram fugir da cidade. Mas, se decidir isso pode parecer fácil, colocar em prática já serão outros quinhentos…

Tive a oportunidade de fazer algumas perguntas ao autor. Abaixo você confere a sinopse do livro e a entrevista que fiz com ele.

 

Sinopse de Lázaro – A Maldição dos Mortos

Avenida Paulista – 18h00min. Três carretas. De dentro delas, mortos-vivos são liberados, espalhando o caos pela cidade de São Paulo. Do dia para a noite, a sociedade tem suas estruturas abaladas e entra em colapso. Ao mesmo tempo, Luca, seu tio e amigos tentam a todo custo escapar do pesadelo. Mas sair da cidade não é o fim, e sim apenas o começo da era dos mortos-vivos. De onde eles vêm? Será que a maior cidade da América Latina resistirá?

Do autor de “Graham – O Continente Lemúria”, “Lázaro – A Maldição dos Mortos” tem um ritmo frenético que prende o leitor da primeira à última página.

 

Entrevista com o autor A. Wood

1) O que o levou a escolher escrever sobre o gênero terror? Quais são as suas maiores referências do universo zumbi na cultura pop?

É um dos meu gêneros favoritos. Minhas referências incluem vários filmes do George Romero, o pioneiro desse gênero no cinema. Também gosto bastante de The Walking Dead, apesar de “Lázaro” trilhar por um caminho completamente diferente. Faço até algumas referências e citações aos clássicos de Romero e à TWD no livro. Eu escrevo livros que gostaria de ler, então tento sempre inovar nas minhas histórias. E também, como sempre gostei de zumbis, resolvi escrever sobre eles do meu jeito.

2) Este já é o seu terceiro livro. O que mudou na sua vida desde que decidiu iniciar a carreira literária?

Desde que iniciei no ramo da literatura como escritor, conheci diversas pessoas e conheci um mundo totalmente novo. São leitores, blogueiros, youtubers e tantas pessoas trabalhando juntas nesse meio e isso é algo muito legal. Hoje posso dizer que tenho muitos amigos feitos após minha primeira publicação.

3) E o que você aprendeu com as outras publicações que tenha influenciado no livro novo?

A cada livro, tento me superar e melhorar com relação aos anteriores. Vejo coisas que podem não ter dado certo nos anteriores e tento usar isso ao meu favor, sempre dando o melhor de mim para entregar um material de ótima qualidade para os leitores.

4) É legal ver que você publicou os três pela mesma editora. Como é o seu relacionamento com a Selo Jovem?

Meu relacionamento com a editora é ótimo. Eles são bem transparentes com os autores e realmente abrem espaço para os escritores brasileiros no Mercado. Estamos sempre trabalhando em conjunto para fazer os livros serem reconhecidos. Temos uma comunicação bem aberta e eles são bem atenciosos com seus autores. Inclusive, recentemente comecei a ajudá-los na seleção de novos originais para o selo novo da editor, além de, é claro, ser parte do time de revisores atuais.

5) Você é tradutor e professor de inglês. Já pensou em traduzir os seus próprios livros, ou até mesmo em escrever diretamente em inglês?

Já sim. Comecei a escrever uma versão em inglês de “Graham”, mas acabei não terminando por falta de tempo. Mas tenho planos de fazer versões em inglês deles sim.

6) Fale um pouco sobre seu personagem principal, o Luca. Quem ele é? Onde trabalha? Ele tem alguma habilidade especial que vá contribuir com a sua sobrevivência?

O Luca é um jovem de 20 anos que está cursando a faculdade de Direito em São Paulo. Ele trabalha em um escritório na Avenida Paulista, e é num dia comum de trabalho que acaba se encontrando no meio do caos todo, quando os zumbis são liberados no meio da rua. Ele não possui nenhuma habilidade em especial para sobreviver, apenas gosta de praticar exercícios físicos, mas não sabe lutar nem nada. Uma pessoa que acaba ajudando-o muito nisso tudo é o seu tio, que é um ex-militar do exército brasileiro. Os dois vão se juntar com um colega de trabalho bem próximo de Luca, Pietro, e um casal de amigas, Bela e Silvinha, para tentarem fugir juntos da cidade.

7) Então as duas meninas são namoradas! Como você vê a importância da representatividade na literatura?

Sim, elas são namoradas. Acho muito importante a representatividade na literatura. É bom incluirmos personagens que não estão nos “padrões”, pois a vida real é assim: formada pela diversidade. Meus livros misturam muito da realidade com a ficção, então uso personagens que poderiam existir e os coloco nas histórias. Além disso, acho que é um ótimo modo de desconstrução de preconceito. Ao fazer o leitor conhecer conhecer o lado de uma pessoa considerada “minoria”, isso pode gerar uma certa empatia e levar à desconstrução.

.

Data, horário e local do lançamento: Dia 24 de junho de 2017, das 13 às 17 horas, na Biblioteca Villa-Lobos, dentro do Parque Villa-Lobos, em São Paulo.

Links do livro e do autor: Amazon | Site da editora | Fanpage | Facebook | Instagram

.

É isso, pessoal! Espero que vocês tenham gostado de conhecer um pouco mais sobre o A. Wood e seu novo livro. Se você é de São Paulo, vá lá prestigiar o lançamento! 😀

.

Karen Soarele

Autora da Série Crônicas de Myríade, com quatro livros publicados. Jornalista esportiva nas horas não-vagas, uma brasileira morando no Canadá.

  • Clark Muito Kent

    Estou ansioso para ler esse livro.