Mare Rosso, por Chairim e convidados (hq braisleira) – resenha

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Salve, salve, seres humanos e vampiros dessa terra.

Hoje eu quero falar de mais uma hq brasileira. “De novo?” Pois é. Vários projetos no catarse que eu apoiei estão chegando agora no final do ano e, sim, elas têm prioridade. HQ brasileira é tudo de bom e merecem seu lugar aqui no portal. Hoje eu vou falar de Mare Rosso, a hq da Chairim, que é menina e eu chamei de menino no instagram por que eu sou um idiota. Peço desculpas. E vamos para o review:

Mare Rosso, por Chairim – resenha

mare-rosso-capa-final

 

As histórias da revista se passam em Mare Rosso, uma cidade portuária fictícia que fica próxima à Gênova, na Itália.

Na história principal da revista, Ana Maria Brás, uma brasileira, Mestra em Artes de 29 anos, vai até Mare Rosso à trabalho. Na verdade, ela está ali com o intuito de roubar uma série de documentos da Museu de Arte de Mare Rosso. Esses documentos contém histórias sobre Vampiros. Esses documentos atraem para Ana a atenção dos Vampiros da cidade o que começa uma perseguição intensa.

mare-rosso-2


O que eu acho?
Antes de falar o que eu achei da revista eu preciso dizer que eu tenho um certo asco com histórias de vampiros. Essa coisa da criatura sensual muito clássica me parece mortalmente batido, por que, em geral esse sensual é muito igual. Sempre me parece que todos os personagens são os mesmos e isso me incomoda muito. Talvez seja por que eu comecei a jogar RPG com Vampiro: A Máscara lá com meus 10 anos de idade e já vivi o suficiente pra ficar de saco cheio desse punk gótico, especialmente quando o punk gótico é pouco punk e pouco gótico, deixando um monte de super gatões sensuais com cara de modelo. Veja o cara da capa, ele é o típico galã de seriado adolescente. Só falta ele falar algo do tipo “Fique longe de mim. Eu sou perigoso.”, ou algo do tipo.

Agora vamos falar da hq em si. As histórias são excelentes, mas são todas meio curtas. Quando começa a engrenar e você começa a querer mais sobre os personagens, ela acaba e você fica com cara de bunda. É realmente uma pena.

mare-rosso
As artes dessa revista são um espetáculo à parte. Apesar de eu detestar alguns elementos dessa estética, nem eu posso falar mal desses desenhos. A arte é impecável. O acabamento da revista é impecável. Os extras dos artistas convidados são lindos. É tudo lindo. Graficamente, Mare Rosso é maravilhoso. Sensacional.

Resumindo: As histórias são bem boas e conseguiram me prender mesmo sendo de um tema que eu não sou fã. Tão boas que entristece que sejam tão curtas. Quem é o contato da Ana? Para quem o Vampiro de olhos amarelos trabalha? Como a Ana terminou sendo uma ladra? Tudo isso fica em aberto para uma outra história mais longa. Quem sabe? Eu realmente espero que venha em algum momento o Mare Rosso edição definitiva.

mare-rosso-recorte

Por fim eu só quero lembrar que tem uma coisa que eu nunca entendi. Por que os Vampiros não conseguem se alimentar sem se sujar? Por quê? Parece criança.

Visitem o site da Chairim e o site do projeto para dar uma olhada nas páginas.

Deem uma olhada nos outros reviews de hqs brasileiras no portal clicando aqui e aqui.

É isso pessoas. Leiam, comprem e financiem o quadrinho nacional.
Deixem aí seu comentário.
Um abraço.
E tchal.

vulto

"Depois de mim sou eu."