Nerds de Fé III

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Para concluir a série Nerds de Fé, eu não dia evitar falar do Papa João Paulo II, pois ele foi dos grandes pensadores do séculos XX e XXI que dedicou atenção na relação Fé e Razão.

O Papa João Paulo II escreveu, durante seu pontificado, diversos documentos e cartas direcionados a seus bispos, clero e fieis, mas uma, de modo especial, além de direcionar-se aos bispos da Igreja Católica dirige-se com caráter energético e fervoroso aos filósofos e teólogos, e esta trata-se da Carta Encíclica Fides et Ratio.

Karol Jósef Wojtyla, de origem polonesa da cidade de Wadowice, doutorou-se em teologia na Universidade Católica de Lublin e lecionou ética na Cracóvia e em Lublin. Foi ordenado padre em 1946 e bispo em 1958, em 1967 tornou-se cardeal e no dia 16 de outubro de 1978 é nomeado Papa, sucedendo João Paulo I e adotando o nome de João Paulo II. Em seu pontificado, exercido com vigor, ele contribuiu muito para a política de muitos países, como no Leste Europeu onde influenciou a restauração da democracia e a liberdade religiosa, especialmente no seu país natal. Quando em idade avançada passou a sofrer o Mal de Parkinson e morreu aos 84 anos de idade no dia 02 de abril de 2005.

No final do século XX, conforme percebe o Pontífice, a filosofia passa por um período frágil, em que os questionamentos filosóficos tendiam a distanciar-se cada vez mais da raiz da filosofia e o surgimento de diversas escolas filosóficas fragmentava ainda mais a visão da relação entre o homem para com o mundo e até com Deus. Percebe também que neste período o racionalismo, o empirismo, o niilismo, o pragmatismo, utilitarismo e tantas outras escolas de pensamento, inclusive anteriores ao século XX, não valorizavam a no contexto do saber e do conhecer. E é nesse contexto que o Santo Padre, sente-se na responsabilidade intelectual e pastoral de dar resposta a esta divergência entre a e Razão.

Escreve então na Encíclica, um discurso bem elaborado e esclarecedor que demonstra o valor da e da Razão, e não as coloca como que rivais ou excludentes, mas as considera complementar uma em relação a outra. “[…] a razão é valorizada, mas não superexaltada. O que ela alcança pode ser verdade, mas só adquire pleno significado se o seu conteúdo for situado num horizonte mais amplo, o da fé[…]”. Isto somado a tantos outros discursos torna-se um convite para que o pensamento volte-se à verdade universal e necessária, e não aos subjetivismos que tanto foram propostos.

Também direciona uma crítica aos filósofos que deixaram de buscar a verdade e aos que seguem as escolas de pensamento anteriormente citadas, dizendo ser necessário superar uma falsa modéstia presente nos questionamentos e nas conclusões acerca das teorias, até então, por eles levantadas. Aos teólogos ele ressalta que devem dar atenção a filosofia, pois percebe que após o Concílio Vaticano II a mesma caiu em desuso, e que a teologia estava entrando em outras ciências humanas como psicologia e sociologia, e lamenta que os teólogos tenham diminuído a importância da colaboração da filosofia grega à tradição cristã, lembrando a atenção dada, neste aspecto, à filosofia, por Tomás de Aquino.

Ainda, o Papa João Paulo II sempre foi muito aberto ao diálogo com as ciências, diálogo inter-religioso e político, sempre usando de seu equilíbrio entre fé e razão. Um exemplo mais concreto deste modo de pensar do Papa, fica expresso em suas conferências “Teologia do Corpo”, na qual soma os dados da biologia, psicologia, filosofia e teologia e descreve com maestria o ser do homem, e tudo de maneira muito simples e bela.

E para quebrar o gelo com o Papa, saibam que ele foi um grande poeta e alpinista…

Acredito que para os que desejam aprofundar nesse assunto, ainda ficaram muitas questões abertas. Que bom! Então leia Carta Encíclica do Papa, a Fides et Ratio.

Grande abraço!

Eduardo Martins

Seminarista Católico; Acadêmico; Nerd; Jogador e Mestre de RPG. Quando tenho tempo livre, faço mais coisas também!

  • Darley Santos

    Existe uma compilação de todas essas conferências, a “Teologia do Corpo”, onde ele nos esclarece sobre moral e sexualidade humana a partir da antropologia cristã. Já vi o Padre Paulo Ricardo citar e recomendar essa compilação.

    • Eduardo Martins

      Eu tenho estudado um pouco sobre a “Teologia do Corpo”, e é muito interessante, sobretudo pela concretude e atualidade do conteúdo. Vale muito a pena conhecer.

  • Mauricio Martins

    Teologia do corpo é um baita assunto!