O Poderoso Chefão (Resenha)

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

No final dos anos 40, o poderoso Vito Corleone é o patriarca de uma das grandes famílias mafiosas da região de Nova Iorque. Quando outra família tenta matá-lo, seus filhos devem reorganizar e proteger os negócios, enquanto Michael, que sempre se recusou a se envolver com o crime e seguir os passos do pai, se vê cada vez mais envolvido com esse universo.

O Poderoso Chefão (The Godfather, 1972) é um filme de Francis Coppola e o mais icônico dos filmes de gangster já feitos, sucesso de público e crítica desde a época de seu lançamento. Foi a minha escolha de resenha não só por ser um clássico, mas um excelente drama sobre pai e filho, perfeito para a época do Dia dos Pais.

Conta a história da família Corleone, com foco em Vito (Marlon Brando) e Michael (Al Pacino), narrando a jornada do relutante filho de gangster que aos poucos, seja por desejo de vingança ou necessidade de proteger sua família, se vê assumindo a liderança da organização criminosa que anteriormente esteve sob poder de seu pai.

Histórias de filhos que se revoltam contra o caminho de seus pais para descobrirem que são mais parecidos com eles do que imaginavam não são raras, e funcionam porque é uma situação pela qual provavelmente todos vamos passar um dia. Nesse caso, o contexto é uma vida de violência e crimes, o que torna a resistência de Michael ainda mais palpável. Enquanto isso temos Don Corleone não apenas como um mafioso frio e calculista, um monstro desalmado, mas também como um patriarca preocupado com sua família, um avô carinhoso e um pai amoroso para seus filhos biológicos e o ex-menino de rua que adotou.

É interessante assistir um filme tão referenciado depois que ele já ganhou essa dimensão: Aquela cena que você conhece sem nunca ter assistido a obra, como Jack Woltz acordando do lado da cabeça de seu cavalo, a trilha sonora que deu origem às músicas que hoje são um clichê em filme de gangster e falas que se tornaram bordões repetidos a esmo. Tudo se somando na construção de uma verdadeira obra-prima, que mais do que uma série de decisões tão boas que vieram a se tornar clichês, formam um filme que tem alma e coração.

Pela sua excelente construção de narrativa, personagens marcantes e cenas visualmente interessantes, O Poderoso Chefão é um filme que vale a pena ser visto, onde a duração de quase três horas nem se sente. Daqueles clássicos que você sabe que não se tornaram clássicos atoa.

 

Ficha técnica:

Direção: Francis Ford Copolla

Roteiro: Mario Puzo, Francis Ford Copolla

Elenco:  Marlon Brando, Al Pacino, James Caan, Richard Castellano, Robert Duvall, Sterling Hayden, John Marley, Richard Conte e Diane Keaton

Nacionalidade e lançamento: EUA, 1972

Vinicius Mendes

Escritor, redator publicitário e conspirador pela dominação mundial. Quando não está trabalhando ou estudando, assiste animações e filmes chatos, conhece uns graphic novels e mangás, lê de Paulo Coelho a Saramago, joga videogame e RPG de mesa e tenta fazer receitas de doce que aprende no Youtube.

  • Fabiana Murray

    Maravilhoso texto! A fruta nunca cai longe da árvore. Apesar do pessoal não gostar do 3, ele mostra do 1 ao 3 a ascensão e queda dos Corleone. É um exemplo de que o filme é melhor que o livro.

    • Vinicius Ferreira Mendes

      Eu fiquei com muita vontade de ler o resto da trilogia!