Roberta -Poesia, voz e violão- Campos.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Como não se apaixonar por essa mineirinha que a cada dia vem embalando nossos corações com canções delicadas e igualmente sutis que invadem nosso peito e nos fazendo crer que o amor ainda existe.

Assim é Roberta Campos, uma das melhores vozes do cenário da música nacional da ultima década. Com muito talento e maturidade musical, ela caminha sutilmente entre pop, o indie e a MPB, criando assim um estilo de música bem próprio e que revela uma identidade sutil e delicada que nos faz apaixonar a cada novo verso. Ela tem a facilidade de tornar uma letra em verso, um verso em poema, um poema em música, e fazer dessa música um meio de comunicação entre aqueles que adoram seu trabalho.

Ela é aquele tipo de cantora que é capaz de reunir em uma só música tudo o que há de mais sagrado no mundo, com letras suaves e diretas, Roberta fala sobre o amor, a natureza, os encontros e desencontros que temos durante a vida, a necessidade de antes de tudo viver e ser feliz. Seria impossível ouvir uma canção e não imaginar ao menos uma situação em que já não tenhamos vivido em algum outro momento. Há tempos não vemos surgir no Brasil um artista tão completo que consiga manter uma sequência de bons álbuns com melodias que tenham de fato algo a dizer. A música expressada por Roberta Campos tem sua identidade gravada em cada acorde, cada verso e melodia, e mostra que estamos diante além de uma boa cantora, uma ótima compositora.

A coragem para trilhar por esse caminho tão único é uma característica dessa mineirinha que arriscou tudo ao chegar a São Paulo em 2004 e sozinha gravou o primeiro disco no estúdio em seu apartamento. Dessa mesma maneira, com muito amor pela música e com composições belíssimas ela chega agora ao quarto disco de estúdio com músicas inéditas.

“Todo caminho é sorte”, é um disco que fala sobre o amor e também a falta dele, fala ainda sobre o tempo, sobre a natureza, sobre analisar questões pessoais e derrotar seus próprios medos e a cada nova faixa nos faz querer sempre um pouco mais. O álbum diz a que veio, com letras belas e acordes suaves, as melodias tem tudo para dominar as playlists dos sites de reprodução de músicas, além de terem uma leveza ideal para a divulgação em radio e tv, não à toa a música Minha Felicidade foi tema de abertura de novela, além de figurar entre as mais tocadas em 2016.

Das doze faixas do disco, onze são composições de Roberta e dá continuidade a sutileza apresentada nos álbuns anteriores. O álbum soa de maneira quase que linear, a ponto de imaginarmos como uma grande faixa que se percorre por todo o disco. De fato não há um ponto destoante, nem uma faixa excepcional, mas sim um trabalho bem pensado e bem organizado, desde a escolha das faixas até mesmo a sequência do álbum. Assim se tem Todo Caminho é Sorte, é um álbum muito completo, com letras que expressam o significado proposto pelo disco e enriquecem ainda mais o trabalho como um todo.

Uma das principais surpresas positivas desse álbum, e que teve grande influência na qualidade final obtida, foi a presença do produtor Rafael Ramos, que normalmente está associado a trabalhos mais voltados ao rock pesado, como Raimundos, Titãs e outros, e junto com Roberta Campos, conseguiu atribuir uma sonoridade maravilhosa, com auxilio de arranjos de violão diferenciados e mais arrojados, que diferem um pouco de álbuns anteriores.

Cada canção tem uma mensagem única que nos faz emergir em nossos pensamentos e nos libertar do mundo por algum tempo. O álbum começa com uma faixa maravilhosa que nos faz pensar no amor e na sutileza das situações de cada dia. “Ensaio sobre o amor” é um retrato apaixonado do que o amor poderia ser, se a gente não complicasse tanto as coisas.

Uma das letras mais interessantes do álbum é, sem sombra de duvidas, “Amiúde”, que torna pública uma analise muito pessoal entre Roberta e sua vida. Com versos diretos, a música vai de encontro a questões vividas por ela. A participação dos Marcelos, o Camelo e o Jeneci, é magnifica e dão a ela um toque mais que especial. Em um duo no vocal com Marcelo Camelo, Roberta Campos mostra ainda mais sua capacidade vocal unida a uma letra maravilhosa escrita por ela que nos faz compreender um pouco mais do seu mundo de uma maneira tão simples e suave. Como a própria Roberta já havia declarado, a escolha de Marcelo Camelo, foi pensada até mesmo antes da produção do disco, e representa uma conversa pessoal com a própria consciência, interpretada por Camelo. Com uma voz marcante e sempre bem colocada, ele deu a letra uma valorizada maior também no sentido da harmonia e a melodia da faixa. E o que dizer da presença de Marcelo Jeneci, que ao piano consegue dar sua contribuição sem deixar que a música perca a cara de Roberta. Sem duvidas Amiúde, é uma das faixas que mais simbolizam todo esse trabalho.

Porém não podemos deixar também de mencionar a música Minha Felicidade, que fortalece ainda mais esse estilo meio folk-pop-reggae, tão bem representado por Roberta em suas músicas e bem visto no álbum anterior. Com uma batida que sai um pouco das demais melodias, essa é uma das músicas que expressam a permanência de uma identidade anterior e nos mostra que o trabalho a cada dia fica ainda melhor. Essa é uma das músicas que nos fazem pensar em um dia de sol, com um violão a beira-mar, sem precisar se preocupar com as dificuldades que o futuro pode trazer. A música nos fazem pensar no passado, presente e futuro de uma maneira praticamente única e calma. Faz com que acreditemos que sempre haverá um lugar onde o sol poderá brilhar.

”Todo caminho é sorte” é um daqueles álbuns que mostram a identidade do autor, que a cada música nos faz pensar em querer sempre mais. Soa de maneira linear a toda sua carreira e apresenta uma evolução suave e delicada do trabalho desde o lançamento do primeiro álbum em 2008. Assim como os demais, Todo caminho é sorte é guiado pelo violão de Roberta, que expressa muito mais que música, mas também poesia, com mensagens positivas sobre amor e esperança na vida. Esse é um daqueles discos que nos fazem correr pra comprar e querer assistir a cada show da turnê de divulgação. E não se espante se vier a gravação de um DVD ao vivo. Sem dúvidas o nome do álbum não podia ser outro, porque nesse momento da carreira de Roberta Campos, todo caminho é sorte.

Igor Cruz

Arquiteto, urbanista, escritor, podcaster e editor. Comecei escrevendo sem querer, depois por prazer, encontrei nas palavras um acalanto para minha mente e um sentido para recomeçar e se você achar que estou mentindo, pergunte ao meu coração.