Senhor A viu: Santa Clarita Diet

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Um dos grandes méritos da Netflix, é sem duvida a ousadia. Seja ela entrar no mercado como entrou, seja por produzir como produz(tanto em quantidade como em qualidade), seja por inovar em assuntos e temas.

Santa Clarita Diet, na minha humilde opinião não foi diferente. Mas antes demais nada uma explicação: devem estar se perguntando, mas o Senhor A resenhando séries? Sim, resolvi fazer como a Netflix e ousar. Mas voltando a série: Santa Clarita Diet é uma comédia/horror, mas que eu classificaria como uma comédia romântica, algo a la: O amor é cego ou Eu Eu Mesmo e Irene. Mas o que numa comédia romântica atrairia o rabugento do Senhor A?

Segundo a sinopse original:

Sheila (Drew Barrymore) e Joel (Timothy Olyphant) são dois corretores de imóveis que compartilham muito mais do que a mesma profissão. Casados e com uma filha adolescente, eles estão descontentes com a vida que levam em Santa Clarita, no subúrbio de Los Angeles. O destino deles começa a mudar quando Sheila passa por uma mudança radical.

Bom, como não deve ser novidade, Sheila começa a se “zumbificar”, sim, é mais uma série sobre zumbis. Mas então la vem mais TWD? Não, eu pelo menos não achei mais do mesmo. As consequências do mal de Sheila, aliadas as atitudes de Joel, fizeram toda a diferença. Quem acompanha meu trabalho deve saber que não sou muito ligado a séries, mas Santa Clarita Diet conseguiu me prender.

Posso sim classificar a série como um humor puxado para o besteirol, mas as pontas de drama lançadas durante a trama, aliadas ao humor sempre presente fazem, ao meu ver, a produção ser cativante.

Não vou delongar em detalhes para os mimizentos do spoiler não reclamarem, mas darei uma passeada pela série em pelo menos dois pontos: primeiro que como toda obra que envolve zumbi, o grande mistério é o porque/como aconteceu. Segundo ponto, as atitudes inesperadas de alguns personagens fizeram a série ganhar bons pontos comigo.

A primeira temporada são 10 episódios de 30 minutos cada um em média. Curtos na minha opinião, o que facilitou minha adesão a trama, já que evito coisas longas demais.

Se fora para dar uma nota,  eu daria 8 de 10, não é uma obra de arte, mas é diversão garantida.

Senhor A - Alexandre Gomes

Autodidata em edição de podcast, adepto de softwares livres,(Linux e Audacity). "A utilização de softwares livres não diferencia em nada dos softwares pagos no produto final." Senhor A

  • Darley Santos

    Muita gente falando dessa série! Tenho que dar uma olhada logo!

  • Fabiana Murray

    Adorei a sua resenha. Devia fazer mais.

    • Meu problema no caso é ver algo para resenhar. Kkkk mas vou tentar ver ou ler mais.

    • Acabei de descobrir que se respondo por email vai no perfil do Douglas. Kkkkk

  • Luiz o Henrique

    Mas do que você gosta mais?
    Dessa série ou de batata?

  • Curti muito está sério, ontem mesmo eu finalizei ela. E o final foi um belo baque, pois eu disse exatamente assim: “Ué, como assim acabou?”. Sobre a série, eu nunca curti muito o Timothy Olyphant, talvez por ele sempre fazer vilões talvez. Mas desta vez a melhor coisa da série pra mim foi ele e seu personagem o Joel! As reações dele as coisas que acontecem na série são de mais.

    AAA e parabéns pela resenha. 😀

    • Não me lembro bem dele em outras obras, mas gostei demais da construção deste personagem, o modo dele tentar ver normalidade, para não “assustar” a esposa…