Sherlock Holmes, O Necronomicon (hq) – resenha

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Salve, salve, seres humano, vampiros e Deuses antigos.
Passando rapidamente para falar de uma hq que eu acabei de ler (na verdade eu pulei umas partes por que estava bem chato) e quero compartilhar com vocês. Essa é mais uma daquelas hqs diferentonas que eu não sabia que existia até esbarrar com ela. Hoje eu vou falar de Sherlock Holmes, O Necronomicon.

 

Sherlock Holmes e o Necronomicon #1 capa

 

Essa história vem em duas edições de 48 páginas e é uma história fechada, então não vou dar muito detalhes como eu faço quando estou falando da #1 de uma revista mensal.

Vou tentar fazer uma sinopse rápida dessa bomba que é essa história.

Moriarty está morto, mas, aparentemente, em uma história anterior foi descoberto que ele é um vampiro. Ele reaparece em Londres e coloca um plano de sequestrar Sherolck Holmes. Ele revela que antes de morrer, ele escondeu parte de sua essência em Holmes e ele precisa recuperar essa parte de si para se tornar completo. Para isso ele usa a ajuda de um mago egípcio e do Necronomicon.

Sim. É isso. Moriarty é um vampiro e ele precisa da ajuda de um mago e do Necronomicon para se tornar fodão. A rainha da Inglaterra faz magia também. Tem uma menina que é telepata e ajuda o Holmes com seus poderes da mente. E não tem Watson. É isso.

 

O que eu achei?

Em resumo. É tão ruim que eu fiquei com preguiça de terminar e pulei pro final. Não é uma história de detetives como se espera de uma história do Holmes. Não é uma história de Horror como se esperaria de qualquer coisa envolvendo o Necronomicon.

É praticamente uma hq de super heróis. Pensa bem. Tem um vilão poderosão que faz magias top que não precisam de explicação nenhuma. Ele tem um plano maluco. O protagonista fica ali viajando sem resolver muita coisa. Tem uma telepata que ajuda. Tem clímax com um portal para outra dimensão. Tem soluções bem safadas com uma telepata e pessoas que estão “ligadas pela mente”. E não tem investigação.

 

 

Além disso tudo, tem uma narração arrastada, chata pra cacete. Mas o pior, de longe, é o fato do Holmes ser um bosta. O maldito do roteirista teve a pachorra de colocar o Sherlock Holmes dizendo que “Eu, que não tenho apetite pela leitura”. PUTA QUE PARIU!

É uma hq bem merda. Não recomendo.

 

 

Roteiro: Sylvain Cordurié
Arte: Vladimir Krstic-Laci
Cores: Axel Gonzalbo

Então é isso. Hq piolhenta. Passe longe.
Deixe seu comentário aí.
Estou puto de ter perdido minha noite lendo isso.
Um abraço.
E tchal.

vulto

"Depois de mim sou eu."