Crônicas de Myríade: Tempestade de Areia, por Karen Soarele – resenha

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Salve, salve, seres humanos, pístiros e, por que não, salamandras.

Hoje eu quero falar  do segundo livro da série Crônicas de Myríade da nossa querida amiga, Karen Soarele. Como eu já disse, esse é o segundo livro e já tem, aqui no site, resenha do primeiro livro da série. Veja aqui.

Crônicas de Myríade: Tempestade de Areia – resenha

 

O livro continua a história de Aisling e dos membros da resistência de Hynneldor. Depois de ter sua posição comprometida, a fortaleza da Resistência é constantemente atacada pelo exército de Vulcannus e de Hynneldor juntos. Percebendo que a fortaleza irá cair, Desmond e Marian dissolvem a resistência e enviam as pessoas para que se espalhem por Hynneldor e esperem por ordens. Aisling e Dharon pegam carona com duas pessoas que devem entregar uma mensagem para a Fortaleza do Sul, enquanto Desmond e Marian sobem as montanhas para conseguir auxílio dos Lobos da Montanha. Quando o grupo de Aisling é atacado, ela se vê sozinha com a mensagem e encara isso como uma nova missão, chegar a A’Hassunah, entregar a mensagem e tentar reencontrar Dharon.

Aconteça o que acontecer, essa mensagem deve chegar à Fortaleza do Sul. Eles são a última esperança contra Vulcannus.

Essa é uma sinopse já com um pouco de spoiler dos primeiros capítulos, mas da o tom do que acontece na história sem chegar nem perto do que acontece no final.

O que eu achei? Novamente é importante avisar que essa série, como um todo, é voltada para um público young adult, que não é o meu caso. Mesmo assim eu gostei.

Tempestade de Areia constrói e nos mostra mais sobre o mundo de Myríade, mas continua funcionando perfeitamente bem como um livro leve. A história te leva pela mão e te guiando pelo conteúdo sem embolação. É muito competente.

Riverlyen,  a cidade-ponte. Aisling já ouvira falar dela muitas vezes. Imaginava que fosse uma cidade cortada pelo rio, o que possuísse uma ponte ao centro. Mas estava enganada. A cidade era, de fato, a própria ponte.

Os personagens novos são bem legais, tão legais quanto os personagens do primeiro filme. O Khaled e o povo do deserto é muito interessante. A resistência da cidadezinha que eu já esqueci o nome é bem legal também. O cientista louco também é bem legal. E a Dulce é uma fofa.

Alguns dos conceitos novos que são inseridos são muito legais. A floresta de Datillion que nasce e morre todos os dias é muito maneiro. A cidade embaixo da ponte é muito maneira. O touro do deserto é muito legal também. E o orfanato da senhora bruxa muito poderosa e sábia.

No extenso paredão, puderam ver uma rede de plataformas de madeira, que fora construída ao longo dos anos. Eram como deques presos à rocha, nos quais pequenas casas se amontoavam pelos inúmeros andares, interligados por longas escadarias. Todas essas pequenas partes formavam uma enorme estrutura irregular, que descia até próximo ao rio. Ali, os pescadores moravam e exerciam seu ofício.

Nem tudo são flores. Tem coisas que me incomodaram também. O que me incomoda um pouco é que a Aisling, e até a Marian às vezes, precisa ser salva à exaustão. No primeiro capítulo ela mostra que já está manjando do arco e flecha, mas só volta a atirar em alguém lá no final do livro. Eu gosto da personalidade dela de “mais coragem do que bom senso”, mas isso coloca ela em situações de menina que precisa ser salva e consolada muitas e muitas vezes. Isso me deu um pouco de preguiça.

Outra coisa que me incomodou é: Não consegui diferenciar a personalidade do Dharon e a do Khaled. Achei eles meio a mesma coisa. Sei lá.

Tem uma coisa que me preocupa, mas eu teria que dar spoiler para poder comentar.

Voltando aos elogios:

As cenas de luta estão excelentes e a sacada dos dois últimos capítulos é sensacional! Sensacional!

Ah sim! Já estava esquecendo! Esse livro tem mais desenhos e os desenhos estão bem legais.

Autora: Karen Soarele
Editora: Cubo Mágico

Então é isso. O segundo livro é tecnicamente tão com quanto o primeiro, mas é mais ágil já que os personagens já estão inseridos. Recomendo a série como um todo.
Se não leu, leia. Se já leu, comente aí e diga o que achou, tanto do livro, quanto das minhas considerações.
Um abraço.
E tchal.

post publicado originalmente por mim em Lugar Nenhum

vulto

"Depois de mim sou eu."