ZCast 20 – A Lenda da Bruxa de Blair

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

No episódio desse mês Léo Oliveira, Gabriela Luz, Rafael Henrique, Vulto falam sobre a Bruxa de Blair. Desmitificamos a verdadeira lenda, contamos como tudo começou até os dias de hoje e o legado deixado pela obra. Ouça, pegue seu leitinho e entre dentro das cobertas, mas cuidado com a bruxa, não apague a luz e corra se ouvir barulho. Ah! não esqueça o celular para ouvir escondido.

Tempo do Episódio: 01:03:11

Tema: Lendas

Links Comentados no Episódio:

Fanfics A Mulher do meu Destino – Gabriela Luz

Mais Fanfics – Gabriela Luz

– Podcast Trova na Taverna – Rafael Henrique

– Podcast Fora da Pauta – Rafael Henrique

– Podcast Batendo Na Panela – Petrus Davi

– Podcast Fora da Caixa – Petrus Davi e Jose Augusto

– Site Paradoxo Concreto – Jose Augusto

Redes Sociais:
Telegram do Cultura Nerd e Geek

Página Oficial do Cultura Nerd e Geek

Twitter Cultura Nerd e Geek

Google Plus Cultura Nerd e Geek

Instagram Cultura Nerd e Geek

Perfil do Marvin no Facebook

Grupo Cultura Nerd e Geek

Grupo de Trocas Cultura Nerd e Geek

Canal Youtube Cultura Nerd e Geek TV

Parceiros:

– Canal Tragicomedia

– Canal Leo Oliveira Bass

– Curta o Hordas Trôpegas

– Siga nosso editor o Senhor A no Twitter

– Curta a Página do Sr.A no Facebook

– Feed do Podcast do Senhor A


E-mails: Mande suas críticas, elogios, sugestões e erros para zcast@hordastropegas.com.br

Arquivo MP3 (clique com o botão direito e depois salvar link como, renomeie. E bom episódio!)


Participantes: Léo Oliveira, Gabriela Luz e Vulto em 02/10/2016

Convidados: Rafael Henrique

Edição: Léo Oliveira

Leo Oliveira

Músico, baixista, gamer e fã de quadrinhos, além de ser fanático por series e totalmente viciado em filmes. Fã de diretores como David Fincher e Quentin Tarantino, além de totalmente viciado no universo Star Wars e apaixonado pela Terra Media!

  • Vanei Anderson Heidemann

    Como dizia meu irmão quando era criança: “Eu não acredito em fantasma, mas que existe, existe…”

    • Darley Santos

      A imagem me lembrou a fixação por cadeiras de rodas de Silent Hill rsrs.

    • Léo Oliveira

      PQQ que capa FODASTICAAAA ahahahahah
      Tenho que assistir esse filme

  • Excelente episódio, caros ZCasters.

    Bruxa de Blair é um filme
    realmente transformador no quesito linguagem cinematográfica. Apesar de
    (mal) imitado de seu lançamento pra frente à exaustão, por filmes que
    não entenderam a premissa do filme (a qual nem está mesmo no filme em
    si), nunca conseguiram replicar o que ele faz. Ou seja, assim como a
    famosa narração de Orson Welles do livro Guerra dos Mundos, que levou
    pessoas ao pânico por passar uma credibilidade a respeito de uma obra
    fictícia, BdB levou o inconsciente coletivo dentro e fora da internet a
    ver o filme como algo factual, aumentando dessa forma a experiência de
    quem assistiu na época em que o fenômeno ocorreu.

    Mas se dizemos
    isso, então BdB tem nessa mesma premissa sua maior vitória e derrota.
    Por um lado, toda a campanha feita pelos realizadores em torná-lo “real”
    fez com que a audiência (e as pessoas a sua volta) vivesse realmente o
    medo da bruxa em suas casas, seus sonhos, suas realidades; por outro,
    depois de passado tanto tempo e tendo caído a “mascara” de realidade,
    ele perdeu justamente a aura mágica que o fazia tão bom, uma vez que
    hoje em dia é apenas assistido como mais um filme de found footage entre
    tantos outros.

    Mas ainda assim o acho um filme muito bom. Gosto
    de histórias de horror que deixam mais dúvidas do que perguntas, e esse é
    um. O episódio de vocês ficou perfeito, parabéns. Abração.

    Ps.:
    Não sei se aceitam pedidos aqui, mas queria deixar uma dica (quem sabe
    um dia, quem sabe um dia…). Um dos filmes de casa mal-assombrada (ou
    muito bem assombrada, dependendo do ponto de vista) já feitos, e que
    bota no chinelo muitos dos filmes de hoje em dia. Se chama The
    Changeling (no Brasil foi chamado de A Troca – não confundir com o da
    Jolie). Espero que gostem.

    • Léo Oliveira

      Falaaaa pensador!
      Realmente eu fico me perguntando se esse caso se enquadraria como histeria coletiva porem acredito que não, pois não ocorrer aquela histeria até por conta de estar distante do material, diferente do que foi no Guerra dos Mundos que seria algo acontecendo no momento da narração no local onde as pessoas viviam e tals.

      Eu concordo em partes quanto essa questão dele ter pedido, mas não foi algo que perdeu pois ele ainda é um filme excelente e deve ser apreciado por isso, é um filme que mesmo fora do contexto dele ele ainda continua valido como uma excelente obra.

      Obrigado pelos elogios ao episódio!

      Cara … nunca assisti esse filme, fui caçar aqui mais nao achei ahahahahah
      Depois eu vou dar uma mergulhada nessa internet profunda e assistir
      Preciso ver mais filmes de terror bons!

      Obrigado pelos comentario e grande abraço!

      • Sim, tem razão. Não quis dizer que ele não tenha valor como peça de cinema em si, mas que o aproveitamento maior dele era mais baseado nos mitos plantados pelos cineastas, como se fosse um pacote completo que alguém deveria experimentar para usufruir melhor. Mas tem razão, e gosto muito do filme sem nem (na época) ter feito parte daqueles que sabiam da lenda “internética” antes de assistir.

      • Sobre achar o filme que recomendei, ele é fácil de achar nas “locadoras do tio torrêncio”. Olha a página do IMDB dele aí, se bem que ali ele aparece com outro título em português que desconhecia. Podem ter trocado para algum lançamento dm DVD – http://www.imdb.com/title/tt0080516/?ref_=nv_sr_1

  • Darley Santos

    Gosto muito de Bruxa de Blair! E se tivesse assistido sem nunca ter ouvido falar dele antes, a experiência teria sido melhor ainda. Jogada que se provou genial, o filme foi feito com pouquíssimo orçamento se comparado com o lucro que foi gerado. Popularizou o estilo “found footage”, até hoje um recurso muito utilizado. O autor da estória é um cara genial: como um artesão criou tanto o primeiro plano quanto o plano de fundo da trama – criou um background tão convincente que provocou a deliciosamente esperta confusão entre ficção e realidade. Uma produção meio que de “fundo de quintal” que conseguiu trazer consigo tantos méritos para o gênero de filmes de terror.
    Gostei muito de Bruxa de Blair 2, concordo com o Leo – definitivamente não é a mesma coisa que o primeiro filme, mas traz uma boa ideia de continuidade. Gostei tanto que lembro até hoje da música tocando quando os créditos do filme começam a subir.
    Fico imaginando também como deve ser a questão do turismo, o estranho fluxo de pessoas que o filme deve ter criado para a cidadezinha lá… E quem são essas pessoas peregrinas que para lá vão? São pessoas que se negam a entregar de mão beijada a volúpia da fantasia e aceitar a banalidade da realidade, dando mais crédito do que deveriam à mentira, e para lá se aventuram para usar drogas e praticar orgias… Bom, já que a bruxa não existe, bem que o Jason e sua função de punidor poderia existir.
    O cast ficou de bom tom, já que sua tarefa é desmitificar. Aliás, quase virou um cast de “humor negro”, pois ao longo de todo o programa mais ri do que qualquer outra coisa. Muito boa a participação dos ilustres convidados, sem falar das tiradas cortantes do Mr. Vulto.
    Ah, e sim, tem muitas pessoas que até hoje ainda acreditam, se saindo com várias explicações como “ah, o filme é de mentira, mas a lenda é verdadeira, a lenda é verdadeira sim, cuidado!”.Piss off… Olha o vídeo do David Herick, especificamente no segundo 00:46 e do 01:02 ao 01:10 kkkk, o cara afirma com certa convicção…

    Ou será que ele está usando a mesma estratégia do filme???

    • Léo Oliveira

      Falaaaa Darley!
      Essa galera teve uma ideia GENIAL em fazer o que fez como o filme e popularizar o novo genero de filmes e criar um subgenero do terror e isso é realmente incrivel e não tem nem como negar. Mas admiro demais também o trabalho da galera do Atividade Paranormal que gastou bem menos do que O Bruxa de Blair e render milhões. Se eu nao me engano ele é o filme que mais dobrou seu valor em lucros da historia, pois ele só se gastou 15 mil pra fazer.

      O bruxa de blair 2 é um filme triste, porque ele poderia ser tão foda e não conseguiu. Eu queria pegar a premissa desse filme e fazer um filme bom com ele ahhahahaaha

      AHHAAHAHAHHAHAAHAH as risadas do Vulto fazem sucesso mesmo kkkkkkkk
      obrigado pelos elogios e que bom que gostou do programa.

      Exatamente, muita gente ainda acredita nessa lenda. AHAHAHAHAHAHAHAH

      Muito bom o video ahahahah tem uma boa galera que ainda acredita mesmo!

      Vlw pelo comentario cara. Grande abraço!

  • Pingback: Trova na Taverna #24 – RPGs Ocidentais x JRPGs – Outra Guilda()